Divulgação/Intendência da Ilha
 

O sistema de coleta seletiva começou a ser implantado gradativamente, a partir desta segunda-feira, 6, nas comunidades que formam a região do Farol de Santa Marta. A intenção é que todos os núcleos habitados sejam contemplados com o sistema.

Segundo a intendente Maria Aparecida dos Santos Ramos, representante da prefeitura para a região, o maior desafio está em fazer com que o sistema seja efetivamente ativado nas comunidades. A iniciativa também deve atingir praias onde há moradores, como a Tereza.

Uma campanha maciça de conscientização com auxílio de carro de som, distribuição de panfletos, e trabalho de educação junto aos colégios das comunidades vai ser iniciada a partir da próxima semana, pela Intendência da Ilha, que ainda está definindo e sinalizando os pontos de coleta, junto com os moradores. “O importante é que demos o primeiro passo com as pessoas já se mobilizando”, comemora a intendente.

O projeto é executado em conjunto com a empresa MM Comércio de Sucatas, de Tubarão, que forneceu os sacos coletores e carrinhos de apoio, caso haja necessidade de buscar o lixo separado em cantos mais remotos da ilha. Um caminhão de coleta irá passar semanalmente na região para recolher o que foi coletado.

O que é a coleta seletiva

É um processo feito a partir da separação e recolhimento dos resíduos descartados por empresas e pessoas. Desta forma, os materiais que podem ser reciclados são separados do lixo orgânico (restos de alimentos, por exemplo). Este último tipo de lixo é descartado em aterros sanitários ou usado para a fabricação de adubos orgânicos.

No sistema de coleta seletiva, os materiais recicláveis são separados em: papéis, plásticos, metais e vidros. Existem indústrias que reutilizam estes materiais para a fabricação de matéria-prima ou até mesmo de outros produtos.