Foto: Luís Claudio Abreu/Agora Laguna
 

A empresa Qualidade Construções, de Palhoça, ficará responsável por executar uma das obras mais esperadas pela população de Laguna, o acesso Norte via Barbacena. A construtora foi declarada vencedora da licitação após  a primeira colocada ter sido desqualificada. Para executar o serviço, a construtora orçou o valor de R$ 6.299.850,70.

A diferença do preço da primeira colocada para a construtora vencedora é de quase R$ 1 milhão. A BCL Empreendimentos, de Orleans, que apresentou a melhor proposta foi desqualificada por unanimidade pela Comissão de Permanente de Licitações (Copeli) por não ter demonstrado a composição de custos e detalhamento de encargos sociais nos documentos protocolados no edital.

Para definir a desqualificação, a Copeli se baseou em estudos do setor de Engenharia, da Secretaria de Planejamento Urbano e Desenvolvimento Econômico e Social. A empresa JR Construções, de Içara, também foi declarada inepta por não apresentar a composição de custos e descumprimento de um dos itens do edital.

A terceira colocada no certame, a Setep Construções, de Criciúma, estuda interpor recurso contra o resultado da licitação. A empreiteira aponta que a Qualidade, dentre outros pontos, apresentou composição de custos fora dos padrões de órgãos como DNIT e Deinfra para esse tipo de serviço. Ainda na reunião, os representantes da construtora declarada vencedora disseram que as planilhas de custos foram elaboradas conforme o edital.

As construtoras têm cinco dias úteis para apresentarem recursos e outros cinco para fazerem a defesa à comissão. Após a análise das oposições ao resultado, a definição oficial será homologada e a ordem de serviço poderá ser assinada. A intenção é que as obras iniciem no primeiro semestre de 2020.

Projeto tem 5,3 km de extensão

O projeto tem um total de 5,3 quilômetros, iniciando na Avenida João Marronzinho, passando pela Rua Arno João Jerônimo, seguindo pelo bairro Barbacena, até a BR-101. De acordo com a prefeitura de Laguna, no traçado do novo projeto não serão necessárias indenizações para moradores e proprietários de terras da região. O financiamento para a obra foi aprovado pela Câmara em maio de 2019.