Foto: Elvis Palma/Agora Laguna
 

Considerada uma das maiores obras escritas sobre o militar Jerônimo Coelho, o livro editado pelo desembargador Norberto Ulysséa Ungaretti (1936-2014), será lançado em cerimônia nesta quarta-feira, 4, em Laguna, terra natal do biografado e do biógrafo. O evento ocorre a partir das 19h, no Cine Teatro Mussi, e contará com apresentação da Banda de Fuzileiros Navais de Rio Grande (RS).

Para escrever o livro, Ungaretti chegou a contratar pesquisadores no Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande do Sul para que buscassem fontes e dados sobre os atos e feitos por Coelho, que foi o fundador da imprensa e da Maçonaria em Santa Catarina, naqueles estados.

A obra levou 15 anos para ser produzida e está sendo levada às livrarias com apresentação do jornalista e colunista político do grupo NSC, Moacir Pereira, que obteve autorização da família do saudoso magistrado para a publicação. O lançamento oficial ocorre, também, em comemoração dos 50 anos da Loja Maçônica Jerônimo Coelho.

“Ela [a obra] traz revelações extraordinárias. O livro não é a apenas a biografia, é a mais completa biografia de Jerônimo Coelho não tem nada publicado no Brasil parecido com esse, nem em Santa Catarina. Foi uma pesquisa exaustiva”, adianta o jornalista.

Norberto Ungaretti chegou a contratar pesquisadores para auxiliar na busca por dados sobre militar lagunense – Foto: Arquivo familiar

Norberto Ungaretti

Nascido em 1936, era filho de Gil Ungaretti (prefeito provisório de Laguna na Revolução de 30) e de Otília Ungaretti (professora do extinto Grupo Escolar Jerônimo Coelho). Formado pela Faculdade de Direito de Santa Catarina (incorporada à UFSC), Norberto Ulysséa Ungaretti fez carreira na magistratura e na política.

Foi secretário particular de Jorge Lacerda (1956-58), sub chefe da Casa Civil de Heriberto Hülse (1959-61) e no governo de Ivo Silveira ocupou os cargos de consultor jurídico e procurador fiscal do Estado, além de secretário de Estado do Interior e Justiça.

Ainda na política, se elegeu vereador na capital em 1962 pela UDN, chegando a ocupar o cargo de presidente da Câmara de Florianópolis entre 1965 e 1966. Ungaretti foi ainda professor do Centro de Ciências Jurídicas da Universidade Federal de Santa Catarina e membro titular da cadeira 40 da Academia Catarinense de Letras (ACL).

Em 2002, escreveu a obra ‘Laguna: um pouco do passado’ que reuniu escritos retirados de notas e artigos publicados nos primeiros jornais que circularam na cidade juliana do século XIX e XX. Morreu em 9 de janeiro de 2014, em Florianópolis, onde residia.

“O professor Ungaretti era um espetáculo como orador, palestrante, líder espírita… enfim, era um homem que cativava as plateias. Tinha um legado excepcional, pessoa extraordinária”, afirma Pereira. “É unanimidade dos historiadores que Jerônimo Coelho foi o mais ilustre catarinense do Império. E eu ouso dizer que Norberto Ulysséa Ungaretti foi o mais ilustre intelectual de Laguna e quiçá de Santa Catarina no final do século passado”, completa.

Moacir Pereira

Jornalista com mais de 50 anos e escritor com mais de 30 livros publicados, Moacir Pereira é formado em Direito pela UFSC, com mestrado em Ciências Políticas. Já presidiu a Associação Catarinense de Imprensa (ACI) e foi o primeiro coordenador do curso de Jornalismo da UFSC, quando este foi implantado no fim dos anos 70.

Recebeu vários prêmios estaduais e nacionais de jornalismo. Está há mais de 15 anos no Grupo NSC Comunicação, mantendo coluna publicada no portal de notícias do grupo sobre a política e os campos empresarial e jurídico do estado.

Entre as obras que publicou estão: Imprensa e Poder, A comunicação em Santa Catarina, O Golpe das Letras, Comunicação e liberdade e A Democratização da Comunicação.