Divulgação
 

A situação tensa que o Partido Social Liberal (PSL) vive a nível nacional e estadual, e que foi agravada com a desfiliação anunciada do presidente da República, Jair Bolsonaro, e da vice-governadora catarinense, Daniela Reinher. Na contramão, o governador Carlos Moisés (PSL) afirma que não vai deixar a sigla e planeja mudanças nos comandos municipais, o que inclui Laguna.

Na última quinta-feira, 14, em sua primeira visita oficial a Tubarão, o chefe do Executivo catarinense sinalizou ter interesse no nome do empresário Samir Ahmad, para compor as fileiras do partido em Laguna. Moisés fez um convite para uma reunião em Florianópolis, que pode selar o futuro político do empresário, que concorreu à prefeitura da cidade juliana em 2016, não sendo eleito.

Procurado pelo Portal, Ahmad manteve postura de cautela e ponderou que nada está definido e que segue presidente do Progressistas de Laguna, mas confirma que terá a reunião com Moisés. “O governador me surpreendeu falando que acompanhou a minha entrevista na Unisul TV na época da eleição [de 2016] e que as minhas ideias e projetos de desenvolvimento são as mesmas que ele acredita que podem mudar a história econômica e social da nossa cidade pra sempre”.

Essa aproximação do governador e do empresário de Laguna tem endosso do também empresário Luciano Menezes, nome de confiança de Carlos Moisés e pré-candidato à prefeitura de Tubarão pelo PSL. Ao Portal, Menezes se limitou a confirmar a reunião, que segundo ele está marcada para terça-feira, 19, e mencionou que Ahmad tem o perfil que o partido procura para 2020, além de ser uma pessoa conceituada.

Felipe Estevão disse que apoiaria Ahmad

Esta não é a primeira vez que Samir Ahmad entra no radar do PSL. Em entrevista à Rádio Bandeirantes de Tubarão, no final de setembro, antes do racha no partido ter se evidenciado com mais intensidade, o deputado estadual Felipe Estevão afirmou que apoiaria o nome do empresário à uma candidatura para a prefeitura de Laguna.

“Eu sou suprapartidário, trabalho perfil, ele é um empresário, […] e gestor de sucesso. Não foi prefeito por mil votos. […] É um cara novo, acho que merece a oportunidade”, disse à emissora.

PSL está sem presidente

O PSL de Laguna está oficialmente sem comando desde a destituição das executivas provisórias municipais da sigla meses atrás pelo presidente estadual, deputado federal Fábio Schiochet.

Antes da dissolução, o comando da sigla estava com o pastor Antônio Estevão, pai do deputado Felipe Estevão, que reiterou em diversas entrevistas à imprensa de Laguna, que manteria seu pai à frente do partido, tão logo fossem remontadas as comissões municipais.