Foto: Elvis Palma/Agora Laguna
 

Laguna vai se reencontrar com a Casa de Anita nesta sexta-feira, 30, data em que se comemora o 198º ano de nascimento da heroína de dois mundos. O prédio histórico de 1711 ficou fechado por quase dois anos para reforma e organização de acervo.

A edificação serviu como lugar para que a jovem Ana Maria de Jesus Ribeiro, antes de se tornar Anita Garibaldi, se vestisse para seu primeiro casamento com o sapateiro Manoel Duarte de Aguiar em 1835, então aos 14 anos. Na casa, àquela época, morava a família Mendes, que confeccionava vestidos de noiva e emprestava um dos cômodos do prédio para que as jovens noivas se preparassem.

Tombada no fim da década de 1970, a construção foi convertida inicialmente em relicário histórico, com acervo feito por objetos de época que recriavam o cenário de uma casa do século XIX, e agora assume a classificação de museu, inteiramente dedicado à filha mais ilustre da cidade juliana.

“A reinauguração é de extrema importância para Laguna, ainda mais no momento em que a cidade se volta a preservar e valorizar essa heroína que tão bem representa essa cidade. Estamos felizes com essa belíssima obra que está sendo entregue num momento de valorização do patrimônio com várias casas sendo restauradas, também”, define a presidente da Fundação Lagunense de Cultura (FLC), Mirela Honorato. Para a museóloga, a abertura da Casa colocará mais um atrativo lagunense no roteiro de museus catarinenses.

A revitalização do local, orçada em quase R$ 700 mil, incluiu condições de acessibilidade, climatização, iluminação e equipamentos multimídia e de comunicação visual, contribuindo para a difusão da história e do legado de Anita Garibaldi.

A Casa de Anita receberá, também, um exemplar da rosa híbrida criada por Giulio Pantoli (1922-2018), botânico italiano, que dedicou a flor à figura da ‘mãe da pátria italiana’, Anita Garibaldi. Na quinta-feira, 29, a mesma rosa foi plantada em Imbituba, iniciando o projeto do bicentenário.