Foto: Luís Marques Mossman/Agora Laguna
 

Mais um ato de invasão à residência de veraneio no Balneário Praia do Sol foi constatado nesta terça-feira, 09. Desta vez o caso aconteceu na Avenida Pedro Amilton dos Santos (conhecida popularmente como Norte-Sul) em uma casa localizada no extremo norte da via.

Segundo informações obtidas pela reportagem do Portal Agora Laguna, o fato foi percebido por um morador que caminhava pela avenida. Não há informações sobre o que pode ter sido levado pelo autor do crime. As imagens mostram que o imóvel foi inteiramente bagunçado com os pertences dos proprietários espalhados pelo local.

A casa está em construção. Além de grades e cadeados terem sido violados, uma porta foi danificada na prática do ato, que pode ter acontecido na última semana, quando duas casas também foram alvo de atividade semelhante. Um boletim de ocorrência está sendo providenciado pelo proprietário.

Distância do centro urbano favorece ação criminosa

Os constantes registros de ações similares que vêm acontecendo no balneário é creditado ao aproveitamento, por parte dos criminosos, da distância do bairro para o centro urbano – a Praia do Sol integra a região Norte do município – o que aumenta a vulnerabilidade da comunidade local.

“O ruim de tudo isso é que a avenida principal da praia só tem iluminação pública até o meio da via, da metade até o final não tem iluminação. Já pedimos à prefeitura e nos disseram que não há recurso para colocar luminárias até o fim da avenida”, lamenta um morador do balneário, apontando outro motivo para o elevado índice de invasões e furtos que têm sido registrados na comunidade. Boa parte das residências invadidas são habitadas apenas na alta temporada.

Para os moradores, mais policiamento na localidade ajudaria a coibir estes atos. A Praia do Sol é atendida pelo programa de rondas preventivas da Polícia Militar e possui um grupo de Rede de Vizinhos. No entanto, segundo o comando da corporação, para que essa presença possa ser ampliada é necessária a notificação dos fatos, possibilitando a realização de estudos quanto ao assunto.

“É importante para as pessoas que, acontecendo um fato dessa natureza, acionem o 190, chamem a Polícia Militar que nós iremos ao local, registraremos o boletim de ocorrência e repassaremos à Polícia Civil”, explica o comandante do batalhão de Laguna, tenente-coronel Rogério Bartolamei. “Temos que ter os dados necessários para poder atuar. Se eu sou uma pessoa que tem uma residência furtada, ou um vizinho, e não se chamam as autoridades competentes para atuar, muitas vezes não ficamos sabendo. É importante o registro do fato mesmo que não seja agradável, para que os órgãos públicos possam redimensionar toda a situação e programar rondas mais específicas, intensas, nessas localidades”, pontua o oficial.